Categorias
Reflexões

Compartilhando – Set 2020

José & Val Prado

Queridos, paz!

As crises humanas abrem veios por onde a graça e o amor de Cristo se derramam. Atentos a isso, boa parte de nosso ministério nos últimos anos tem sido demonstrar este amor de forma concreta aos refugiados, os mais vulneráveis entre os vulneráveis. A pandemia tornou isso ainda mais latente. Numa terra estranha, entre pessoas que muitas vezes os rejeitam, até mesmo de forma violenta, eles nos buscam aflitos.

Não somente pelo alimento, roupa e moradia, mas também por ânimo e esperança. Impedidos de trabalhar, muitos têm lutado com a depressão. Pense comigo. Aqueles que conseguiram chegar até aqui (ou outro país de destino) são sobreviventes de múltiplos traumas. Carregam feridas no corpo e na alma. Algumas, recém cicatrizadas, voltam a sangrar novamente. Temos orado diariamente por sabedoria e recursos para criar programas que produzam cura, conforto e esperança.    

Assim como o Senhor Jesus, ao nos depararmos com tantos aflitos e desamparados, clamamos: “Envia mais trabalhadores, Pai!” (Mat 9.35-38). Precisamos de mais braços. Nós, seu povo, por vezes somos o único abraço e ouvido que estes pequeninos encontrarão.  Como os discípulos ordenados a alimentar a multidão, nos vemos incapazes de tal tarefa (Mat 15.29ss). Nossos poucos peixes e pães já estão nas mãos do Mestre e nelas há benção e multiplicação. Buscamos outros que tenham a fé e o desprendimento necessário para repartir-se e doar-se. Por isso, pedimos: ORE CONOSCO:

  1. Por cestas básicas para atender às famílias mais necessitadas. Cada cesta custa em média R$100. A fome tem pressa e, como diz um provérbio africano, “uma barriga vazia não tem ouvido”.
  • Mesmo constrangidos, entendemos que devemos AVANÇAR NA CRISE. Com temor e tremor, há dez dias retomamos a reforma do galpão (confira aqui algumas fotos: “Espaço Abuna”). Ele, que já é uma ferramenta útil, será a alavanca para servirmos mais pessoas na pós-pandemia! Mais do que um local de serviços, ele será um estratégico ponto de encontro e transformação para diferentes grupos, cristãos e não cristãos (universitários, ambientalistas, vocacionados, migrantes…). Pela fé, ele será nossa plataforma de lançamento missionário, uma incubadora de novas vocações e projetos, enfim, um lugar onde a glória de Deus se manifestará abundantemente. Ore conosco por recursos. Cada real importa.
  • Por sabedoria e recursos financeiros para podermos contratar pessoas para funções administrativas. Para isso é fundamental que tenhamos um orçamento de entradas estável, e isso só será possível se tivermos novos mantenedores mensais, que se disponham a contribuir com uma quantia fixa.

Mesmo com tantas limitações, temos muitos motivos de gratidão. Nossa nova estufa (berçário de mudas) foi erguida. Montamos também um pequeno sistema de irrigação para nossa horta. Ela já tem levado alimentos saudáveis aos mais vulneráveis. Temos conseguido manter nossa casa de acolhimento em Bangkok, Tailândia. Iniciamos discipulado com novos vocacionados, o que é sempre encorajador! Tenho participado de várias reuniões virtuais internacionais onde buscamos entender e responder, de forma conjunta, aos efeitos da pandemia sobre os refugiados e cristãos perseguidos. Estamos também buscando ser resposta para as famílias atingidas pela explosão em Beirute no mês passado (muitos deles refugiados). Em tudo isso é possível ver a mão do Senhor que age através de seu povo. Como somos privilegiados!

Nossa família vai bem. Gabriel está noivo e se casa em dezembro. Mariana se recupera bem de uma cirurgia no maxilar e a Larissa trabalha na reestruturação de sua microempresa. Val tem melhorado gradualmente da fibromialgia. Muitas são as lutas, mas, como diz um antigo hino: Sim, Deus é por nós! Quem nos vencerá? Dar-nos-á poder real; Deus nos guardará…”.

O Espírito Santo não está preso e muito menos impedido pela pandemia. Ao contrário, Ele tem se derramado em muitas vidas e, em muitos lugares, há uma enorme sede de D’us, da Palavra, de propósito e de oportunidades para servir. Queremos ser como aqueles semeadores descritos no Salmo 126 que, mesmo em momentos de crise e guerra, saíram ao campo em lágrimas, lançando as sementes. Com certeza, a colheita que está diante de nós é grande e a alegria também.

Obrigado por caminhar conosco. Como sempre dizemos, NELE, pelos pequeninos,

José e Val Prado

Em tempo: na medida do possível temos buscado publicar em nossas redes sociais. Acompanhe-nos por lá (Instagram e Facebook @josermprado @abunabr @agro.abuna)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *