Você sabia que os Ribeirinhos são uma das principais vítimas da fome no Brasil?



 

Se hoje lhe perguntassem: “o que é passar fome?”, você saberia como responder? Acredite ou não, o conceito de fome é muito mais delicado do que imaginamos. Segundo o IBGE, estado de fome é o resultado de uma grave insegurança alimentar, não havendo acesso a alimentos de qualidade nas quantidades necessárias. Esta realidade existe em cada canto do Brasil e do mundo. Um dos exemplos mais viscerais do país está entre os povos ribeirinhos, que sofrem todos os dias com a dúvida: vai ou não ter comida?


Conforme pesquisas apontam, no Pará, 67% das pessoas não sabem se vão ter comida e quase 30% já passaram fome. Já no Amazonas, durante a cheia dos rios, quando a água sobe até 15 metros acima do nível normal, 85% das famílias precisam substituir o peixe ou a carne por outro alimento, 65% comem menos do que gostariam, 33% têm de pular alguma refeição no dia e 17% não comem nada por 24 horas.


Ainda, cerca de 520 mil ribeirinhos às margens dos rios Negro e Solimões sofrem de fome, destruição e impactos ambientais. Existem dificuldades e limitações na pesca, no plantio e na criação de gado. Isto significa que meio milhão de brasileiros em comunidades na Amazônia são vítimas da fome e dependem de auxílios da defesa civil e de organizações apoiadoras. Imagine como é não ter o que comer em meio a uma das maiores biodiversidades do mundo.


“É uma tristeza muito grande o cara abrir a geladeira, não ter nada, aquilo é muito forte, entendeu, é uma fome que dói, quando dá o horário de almoçar e não tem. É aquela luta", conta José, um ribeirinho. Catarina, por sua vez, afirma: “Tem dias que falta comida em casa. Quando a gente vê que não tem comida, a gente reparte aquele pouquinho para o outro dia”.


Afinal, o que você e eu temos a ver com isso? A igreja tem a responsabilidade de suprir as necessidades daqueles que têm sede e fome? A resposta é simples! Só pra citar um texto, entre tantos: “Pois tive fome, e me destes de comer, tive sede, e me destes de beber; fui estrangeiro, e vós me acolhestes” (Mt 25.35). Nossa oração e posicionamento é agir de encontro a suprir as necessidades daqueles que precisam. É impossível viver em Cristo sem enxergar o próximo e ser resposta!

0 views0 comments