Protesting With Sign

PETIÇÕES

Ajude-nos a combater as desigualdades e injustiças, assinando a petição abaixo:

LIBERTOS.png2.png

É com imensa alegria que o ABUNA anuncia a decisão do Tribunal Superior de Lahore, Paquistão, ABSOLVENDO na tarde de ontem, quinta-feira, 3 de junho 2021, o casal cristão Shafqat Emmanuel e Shagufta Kausar, das acusações de blasfêmia e da condenação à pena de morte, ordenando a libertação imediata do casal.

Presos desde 2013 por supostos textos "blasfemos", Shafqat e Shagufta passaram quase oito anos no corredor da morte. (Para entender mais sobre o caso veja nossa página).

Em abril deste ano o Parlamento Europeu alertou o Paquistão sobre o aumento "alarmante" de acusações de blasfêmia, expressando especial preocupação com o caso de Shafqat e Shagufta. A Anistia Internacional também emitiu um alerta de que "a saúde Shafqat estava se deteriorando rapidamente". Em maio o ABUNA convocou os cristãos no Brasil para orarem e assinarem uma petição ao governo paquistanês exigindo justiça e liberdade.

Hoje fomos positivamente surpreendidos com a decisão do tribunal, o que reforça nossa convicção de orar e fazer o que estiver ao nosso alcance para o bem-estar de nossos irmãos perseguidos. Sentimo-nos honrados de fazer parte desta história. Glória a D’us! Celebre conosco!

Ao mesmo tempo sabemos que ainda há trabalho a fazer, pois quase uma década de prisão no corredor da morte certamente gerou traumas ao casal e seus 4 filhos. Além disso, a absolvição não garante que eles estejam fora de perigo, uma vez que os radicais buscarão fazer “justiça” com as próprias mãos.

É certo que a melhor opção para eles seja buscar asilo no exterior. Sendo este o caso, ABUNA se coloca à disposição para acolher o casal, caso as autoridades brasileiras assim o aprovem.

Entenda o caso:

SAÚDE DE PRISIONEIRO NO CORREDOR DA MORTE EM GRAVE DECLÍNIO

A saúde de Shafqat Emmanuel, condenado à pena de morte por enforcamento, junto com sua esposa Shagufta Kausar, está se deteriorando rapidamente. A parte inferior do corpo de Shafqat está paralisada, o que significa que ele depende da ajuda dos guardas da prisão para mover-se, e eles não estão sempre disponíveis. Ele tem múltiplas escaras que, segundo seu advogado, não estão recebendo tratamento adequado, e sua dor está piorando a cada dia. Em março, conforme sua família informa, ele ficou em coma por três dias e não foi levado para o hospital. O casal cristão foi condenado à morte por enviar textos "blasfemos" a um clérigo de uma mesquita e têm negado consistentemente todas as acusações. Preso desde 2013, o casal foi condenado e condenado à morte em abril de 2014.

 

TOME UMA ATITUDE: 

ESCREVA UM EMAIL APELANDO EM SUAS PRÓPRIAS PALAVRAS

OU USE ESTE MODELO ABAIXO


 

Caro Inspetor Geral Mirza Shahid Saleem Baig,

Escrevo-lhe alarmado pelo declínio acentuado da saúde do prisioneiro no corredor da morte Shafqat Emmanuel. Shafqat é completamente paralisado da cintura para baixo e depende dos guardas da prisão para realizar as tarefas mais básicas, como sair da cama e usar o banheiro. Além disso, de acordo com o pedido apresentado por seu advogado ao Inspetor-geral das prisões em Punjab, ele sofre de graves feridas e precisa de cuidados médicos urgentes.

Atualmente detido na Cadeia Central de Faisalabad, é extremamente grave que em março, de acordo com sua família, Shafqat ficou em coma por três dias e não recebeu nenhuma assistência médica. Shafqat e sua esposa Shagufta Kausar, foram condenados por "blasfêmia" e sentenciados à morte em 2014 por supostamente enviar mensagens de texto “blasfemas” a um clérigo da mesquita.

O casal não deveria estar preso, muito menos sob risco de execução. As leis de blasfêmia do Paquistão não atendem às normas de direitos humanos, carecem de salvaguardas essenciais para minimizar o risco de violações de direitos, o que coloca em evidência os perigos enfrentados pelas minorias religiosas do país. A urgência com que as injustiças neste caso devem ser remediadas é agravado pelo sofrimento físico de Shafqat e pela falta de acesso a cuidados de saúde adequados.

É muito grave que um prisioneiro que precisa de cuidados de saúde urgentes não seja transferido para o hospital da prisão. Ele não deve ser detido em primeiro lugar, e se ele não vai ser libertado, as autoridades prisionais devem garantir prestação de cuidados de saúde adequados, estejam disponíveis dentro ou fora da prisão.

Portanto, eu recomendo fortemente que você conceda a Shafqat acesso imediato, regular e irrestrito a cuidados de saúde adequados como necessário. Além disso, ele e sua esposa Shagufta devem ser libertados imediata e incondicionalmente. Eu peço que o casal e seu advogado recebam a devida segurança após sua libertação.

 

Atenciosamente,

 

(ESTE CONTEÚDO ESTÁ TRADUZIDO PARA O INGLÊS NO TEXTO ABAIXO)

 

***************

 

Inspector General, Punjab Mirza Shahid Saleem Baig

Inspectorate General of Prisons, Punjab

Link Jail Road, Shadman

Lahore, Pakistan

Tel: +92 4299200498

Email: faxroomigprisons@gmail.com

 

Dear Inspector General Mirza Shahid Saleem Baig,

I write to you to out of alarm for the sharp decline in the health of death row prisoner Shafqat Emmanuel. Shafqat is completely paralyzed from the waist down and must rely on prison guards to perform the most basic tasks like leaving his bed and using the bathroom. Furthermore, as per the application submitted by his lawyer to the Inspector General of Prisons in Punjab, he has painful bedsores and needs urgent health care.

Currently held in Central Jail, Faisalabad I find it alarming that in March, according to his family, Shafqat was in a coma for three days and yet was still not provided adequate medical care. Shafqat and his wife Shagufta Kausar, were convicted of “blasphemy” and sentenced to death in 2014 for allegedly sending “blasphemous” text messages to a mosque cleric.

The couple should not be in jail at all, let alone at risk of execution. Pakistan’s blasphemy laws do not meet human rights law and standards, they lack essential safeguards to minimize the risk of rights violations and illustrate the dangers faced by the country’s religious minorities. The urgency with which the injustices, in this case, must be remedied is heightened by Shafqat’s pain and lack of access to appropriate health care.

I find it highly distressing that a prisoner who needs urgent health care is not being shifted to the jail hospital. He should not be detained in the first place, and if he is not going to be released, prison authorities must ensure the provision of adequate health care whether it is available inside or outside the prison.

Therefore, I strongly urge you to grant Shafqat prompt, regular and unrestricted access to adequate health care as necessary. In addition to that, he and his wife Shagufta should be immediately and unconditionally released. I call for the couple and their lawyer to be provided with adequate security upon their release.

 

Yours sincerely,

 

(COPIE O TEXTO ACIMA - EM INGLÊS - COLE NO SEU EMAIL E ENVIE PARA: faxroomigprisons@gmail.com)

*****************



 

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

 

 

De acordo com uma avaliação médica de 2014, Shafqat foi diagnosticado como paraplégico e sofria com grandes escaras. Seus advogados dizem que ele nunca recebeu tratamento médico adequado para seus ferimentos, alguns dos quais originados de um ferimento à bala (não relacionado aos eventos que o levaram à prisão e condenação à morte). A família de Shafqat afirmou que ele ficou em coma por três dias em março de 2021, mas não foi transferido para um centro médico adequado.

O direito ao mais alto padrão possível de saúde física e mental, incluindo preventivo, curativo e paliativo de saúde, está consagrado nas leis e normas internacionais de direitos humanos. O Pacto Internacional sobre Economia, Social e Direitos Culturais (PIDESC), ratificado pelo Paquistão em 2008, estipula a obrigação, de acordo com o Artigo 12, de “respeitar, proteger e cumprir o direito de todos de gozar do mais alto padrão possível de saúde física e mental, incluindo aqueles que estão presos ou detidos ”.

Além da saúde de Shafqat, sua sentença de morte torna a situação ainda mais precária. Leis de blasfêmia do Paquistão são notoriamente vagas e acarretam pesadas penalidades. Com base em evidências que não atendem ao padrão de prova de "além dúvida razoável”, o acusado pode ser condenado à morte. As leis de blasfêmia violam as obrigações do Paquistão de respeitar os direitos humanos e abre caminho para outros abusos, incluindo ameaças de morte e assassinatos. Os juízes são pressionados e intimidados em condenar o acusado, para que não se tornem o próximo alvo. Advogados de defesa já foram assassinados no tribunal. Testemunhas e famílias das vítimas tiveram que se esconder.

Quando as acusações são feitas tendo como base essas leis, a polícia tem autoridade para prender o suposto infrator sem justificativa e pode iniciar sua investigação sem ordens de um juiz. Curvando-se à pressão pública de multidões enfurecidas, incluindo clérigos religiosos e seus partidários, frequentemente encaminham casos para os promotores sem examinarem as evidências. E uma vez que alguém é acusado, a fiança pode ser negada, tendo que enfrentar longos e injustos julgamentos.

A ameaça de violência acompanha muitas pessoas acusadas de blasfêmia, com grupos ou indivíduos querendo fazer justiça com as próprias mãos, ameaçando matar o acusado e outras pessoas associadas a eles, incluindo seus advogados, membros de suas famílias e membros de sua própria comunidade.

Uma nuvem de medo também paira sobre aqueles que trabalham no sistema de justiça criminal do Paquistão, impedindo que advogados, policiais, promotores e juízes realizem seu trabalho de forma eficaz, imparcial e sem medo. Um padrão preocupante de táticas de retardamento no julgamento de Shafqat e Shagufta parece estar surgindo, onde em suas duas últimas audiências - uma agendada para 15 de fevereiro 2021, e o mais tardar em 24 de fevereiro - os juízes se desculparam de ouvir seu recurso, alegando que o horário do tribunal para a agenda do dia havia terminado. A organização “Anistia Internacional” documentou que adiamentos têm sido um fator comum em vários outros casos de pessoas acusadas de "blasfêmia", com juízes muitas vezes suspeitos de empregar essas táticas por relutância em passar julgamentos exonerando o acusado. Na verdade, os julgamentos de pessoas acusadas de acusações graves, incluindo blasfêmia, podem levar muitos anos para ser concluído no sistema de justiça criminal do Paquistão.

Um relatório publicado em 2016 mostrou como as leis de blasfêmia do Paquistão permitem abusos e violam as leis e obrigações legais internacionais de respeitar e proteger os direitos humanos, incluindo liberdade de religião ou crença e de opinião e expressão. Também mostrou como as leis têm sido usadas para atingir algumas das pessoas mais vulneráveis da sociedade, incluindo membros de minorias religiosas. A Suprema Corte do Paquistão reconheceu que "a maioria das blasfêmias são baseados em falsas acusações ”e são motivados por segundas intenções. Concluiu-se que tais motivos raramente são examinados pelas autoridades e podem variar, desde rivalidade profissional, a disputas pessoais ou religiosas, a busca de ganho econômico.

O ABUNA opõe-se à pena de morte em todos os casos, sem excepção, independentemente da natureza ou das circunstâncias do crime; a culpa, inocência ou outras características do indivíduo; ou o método usado pelo Estado para realizar a execução.

 

ESCREVA ESTA PETIÇÃO PREFERENCIALMENTE EM INGLÊS

E ENVIE NO MÁXIMO ATÉ 12 DE JUNHO.

Com informações da Anistia Internacional UK.