etnias
do Afeganistão

children-gfb747088d_1920.png

Conheça mais do afeganistão

O Afeganistão é um país muito rico em cultura e nos apresenta um mosaico de etnias que vale a pena ser conhecido, no qual encontramos diversos povos que partilham, além do mesmo território, não apenas tradições e dialetos, mas também grandes diferenças. Algumas dessas etnias, por exemplo, são minorias e sofrem perseguições por motivos religiosos, políticos, econômicos e outros. Agora, convidamos você a fazer um passeio por entre as etnias afegãs e conhecer mais sobre esses povos tão singulares.

Hazaras

Algumas pessoas afirmam que os Hazaras descendem das tribos mongóis, na Ásia Central, enquanto outros os apontam como nômades, que migram de regiões montanhosas com seus rebanhos. O idioma principal dos Hazaras é um dialeto Dari e, apesar de somarem cerca de 10% da população afegã, são a etnia mais discriminada do país, sofrendo, há mais de 200 anos, massacres e perseguições.

Um dos motivos de perseguição aos Hazaras é que, diferentemente dos Pashtuns, etnia majoritária sunita, estes professam a fé islâmica xiita. Os conflitos entre sunitas e xiitas têm sua origem em disputas quanto à linha sucessória de Maomé, fundador do Islã. Depois de sua morte, um grupo (xiitas) queria que seu genro, Ali Bin Abu Talib, fosse o sucessor, enquanto um outro grupo (sunitas) defendia que devia haver uma eleição.

Ser uma minoria étnica perseguida, atualmente, no Afeganistão,  é sinônimo de correr um “risco especial”. Os Hazaras têm enfrentado expulsões sistemáticas e limpeza étnica, sendo um dos principais alvos do Talibã. Por exemplo, recentemente, houve um atentado terrorista em Cabul, na região de Barchi, em um transporte público, que matou todos os passageiros e o motorista, sendo todos Hazaras.

Dentre as perseguições e discriminações sofridas pelo povo Hazara, podemos elencar, ainda: o impedimento, por parte do governo

800px-Hazara_children_in_central_Afghanistan.png

atual do Afeganistão, da chegada de alimentos às regiões onde se concentram, mulheres levadas para serem escravas e se casarem com aliados governantes, garotos(as) a partir de 12 anos enviados a campos de prisioneiros e muito mais.

Além disso, encontramos diversos relatos de massacres e assassinatos partindo do Talibã à etnia Hazara. Agnès Callamard declarou, à Amnesty International, que esses “assassinatos seletivos são a prova de que as minorias étnicas e religiosas continuam correndo risco especial sob o domínio do Talibã no Afeganistão”.

Pashtuns

Os pashtuns correspondem à maioria dos afegãos, entre 40 e 60% de toda a população, sendo organizados em tribos. A língua falada por este povo é denominada pashto, de origem indo-iraniana. Estudiosos acreditam que os pashtuns descendem de vários grupos ancestrais, bem como consideram que a população fundamental possui origem iraniana oriental, que trouxe a língua indo-europeia para o leste.

afghanistan-g9db0a0fa1_1920.png

Além do mais, o código de Pashtunwali ou Pathanwali é outro ponto importante da cultura pashtun tradicional, pois estabelece normas de comportamento individual e comunitário e seus princípios incluem hospitalidade, justiça, coragem, lealdade e honra às mulheres. Ainda, a fisionomia dos pashtuns apresenta traços mediterrâneos, com peles mais escuras, e são, principalmente, muçulmanos sunitas, embora uma pequena minoria seja xiita.

Algumas pessoas pashtuns famosas na história incluem os Ghaznavids, a família Lodi, que governou a quinta iteração do Sultanato de Delhi, o ex-presidente afegão, Hamid Karzai, e a ganhadora do Prêmio Nobel da Paz de 2014, Malala Yousafzai.

Tadjiques

Os Tadjiques são a 2ª maior etnia do Afeganistão, com cerca de 11 milhões de pessoas, sendo 20% da população. Hoje, a maioria dos Tadjiques se encontra no Tadjiquistão, mas estes podem ser encontrados também no Uzbequistão e Paquistão.

O dialeto falado por este povo é o persa-dari, língua que veio do rei Dario, mencionado no livro de Daniel, na Bíblia. A taxa de analfabetismo entre os Tadjiques é muito alta, sendo que apenas 10% da população sabe ler. Além disso, os Tadjiques refugiados no Paquistão enfrentam uma realidade muito difícil, que inclui falta d’água e condições de moradia precárias.

Grande parte dos Tadjiques são agricultores ou pastores e cultivam algodão, cevada, trigo e vários grãos. Porém, alguns vivem nas principais cidades do Afeganistão, sendo comerciantes ou artesãos muitíssimo qualificados. Além do mais, nesta etnia, os homens costumam usar turbantes sobre bonés bordados com cores vivas, e as mulheres cobrem a cabeça com xales, enquanto outras usam vestidos de saco que as cobrem da cabeça aos pés.

Por conta das invasões árabes, desde o século sétimo, os Tadjiques afegãos são muçulmanos, em sua maioria sunitas, mas há também xiitas nas montanhas. Outros ainda praticam uma forma de animismo ancestral, e os cristãos representam uma porcentagem mínima. Os Tadjiques têm muito orgulho de sua herança étnica e utilizam do folclore para que sua cultura seja difundida entre suas gerações.

400px-Tajik003.png

participe. seja resposta!

Sentiu-se encorajado e desafiado a ser resposta às famílias afegãs?

Você pode contribuir não somente com suas orações, mas também com recursos financeiros, os quais são tão urgentes e necessários nesta operação.

Para doar através do PIX utilize a chave:

CNPJ: 29.615.177/0001-84

Para outras formas de contribuição, acesse nossa página doe, clicando no link:

ou, se preferir contate-nos pelos canais abaixo: