Número de cristãos diminui drasticamente na Síria por conta de guerras e perseguições



 

Diariamente, os cristãos na Síria sofrem com a perseguição. O Estado Islâmico perdeu força, mas ainda está ativo e sempre constitui ameaça. O resultado desta realidade é que a população de cristãos na Síria diminuiu drasticamente, restando alguns poucos. Na cidade de Idlib, por exemplo, Michel Butros al-Jisri, um senhor de 90 anos, é o último cristão do local. Todos os demais deixaram a cidade por conta da guerra. Antes, Idlib foi casa de mais de 10 mil cristãos.


Já na região de Jazira, no norte da Síria, quase todos os cristãos, principalmente os assírios, por conta da guerra e de sequestros, deixaram suas casas. Nas 38 aldeias do local, haviam muitas igrejas, porém apenas duas seguem ativas. Com isso, de 21.000 ortodoxos, apenas 800 permanecem na cidade.


Porém, segundo o portal Portas Abertas, o número de ex-muçulmanos convertidos ao cristianismo, felizmente, cresceu significativamente. Esse novo grupo tem se tornado o principal alvo de perseguição. A primeira oposição que os novos cristãos enfrentam é quase sempre por parte da família e da comunidade local, que não toleram a mudança de religião, a qual é considerada um sacrilégio contra a cultura de honra muçulmana.


Além disso, infelizmente, ainda existem muitas áreas dominadas por grupos islâmicos extremistas que, por sua vez, promovem feroz perseguição aos seguidores de Jesus. Igrejas são frequentemente destruídas e os crentes que ousam evangelizar são vítimas de hostilidade e, muitas vezes, martírio.


Sem dúvidas, a situação dos seguidores de Jesus na Síria é bastante delicada, fazendo dessa nação, especialmente, um país carente de nossas orações e ações em prol de nossos irmãos que tanto sofrem. Além disso, não devemos esquecer de orar por aqueles que hoje são perseguidores da causa do Reino de Deus, para que, em breve, tenham um encontro com a graça de Deus, arrependam-se e sejam salvos.


#igrejaperseguida#persecutedchurch#siria#cristão#christian#guerra#war

1 view0 comments